Pressão sobre demissão de Sylvinho aumenta mas ele continua no cargo


Sylvinho é criticado por suposta falta de variações táticas da equipe — Foto: Rodrigo Coca/Ag. Corinthians
Sylvinho é criticado por suposta falta de variações táticas da equipe — Foto: Rodrigo Coca/Ag. Corinthians


Prestes a completar cinco meses no comando do Corinthians – o aniversário é sábado, dia 23 –, Sylvinho volta a viver momento de forte pressão no cargo. As cobranças não são novidade na curta trajetória do treinador, mas mudaram de patamar após a derrota por 1 a 0 no clássico contra o São Paulo, na última segunda-feira.

A fervura aumentou após a Gaviões da Fiel, principal organizada do Corinthians, emitir manifesto pedindo a demissão de Sylvinho, na manhã de terça. A torcida já havia questionado o trabalho do treinador, como em protesto realizado em julho no CT Joaquim Grava, mas até então não exigia a saída.

Depois, à noite, o Conselho Deliberativo do clube se reuniu no Parque São Jorge, e o presidente Duilio Monteiro Alves ouviu críticas a Sylvinho não apenas de membros da oposição, mas também de aliados.

O descontentamento chegou ao ponto de  que Sylvinho demitido  foi um dos tremos mais buscados no google na última terça-feira dia 19

Apesar da pressão, tanto Duilio quanto o diretor Roberto de Andrade e o gerente Alessandro Nunes, responsáveis pela gestão do futebol corintiano, seguem dando respaldo a Sylvinho e bancando a permanência no cargo.

A avaliação é de que, apesar de problemas, o treinador precisa de mais tempo para trabalhar. Os dirigentes ponderam que o time está em construção e que alguns reforços, como Willian e Róger Guedes, chegaram há menos de dois meses.

Sylvinho é criticado não só pelos resultados, mas também por supostamente não haver evolução da equipe, nem variações táticas. Também há contestações em relação às escalações utilizadas e ao fato de poucas vezes o técnico fazer as cinco substituições a que tem direito – isso ocorreu em apenas nove partidas, 31% do total.

Em 29 partidas contando a Copa do Brasil Sylvinho tem 10 vitórias, 11 empates e 8 derrotas com um aproveitamento de 47%  menor que seu ntecessor qe fo de 54% ainda sem os reforços.

 O desempenho da equipe melhorou após a chegada dos reforços. Considerando apenas os jogos desde a estreia de Giuliano, em agosto, o Timão conquistou 58,9% dos pontos.
 
 O Corinthians ainda tem 11 compromissos até o fim do ano. O próximo é contra um adversário direto por uma vaga na Libertadores do ano que vem e será importante para reduzir ou aumentar ainda mais a pressão sobre Sylvinho. No domingo, a equipe enfrenta o Internacional, que está somente um ponto atrás na classificação do Campeonato Brasileiro. O duelo será às 16h, no Beira-Rio.
 
 A temporada reserva apenas mais um clássico para o Timão: contra o Santos, em Itaquera, na 34ª rodada do Brasileirão – ainda sem data definida.
 
 Com salário considerado baixo em relação aos demais da elite do futebol nacional, Sylvinho tem contrato com o Corinthians até o fim de 2022, sem multa rescisória. Ou seja: o que o segura no cargo ainda é a confiança da diretoria em dias melhores, não cláusulas contratuais.
 

Compartilhar: