Corinthians detalha equipamentos de espionagem encontrados em varredura no clube

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Clube registrou boletim de ocorrência na polícia nesta segunda-feria

Corinthians detalha equipamentos de espionagem encontrados em varredura no clube; veja imagens

Clube registrou boletim de ocorrência na polícia nesta segunda-feira

O Corinthians divulgou nesta segunda-feira detalhes dos equipamentos de espionagem encontrados em varredura realizada no Parque São Jorge e nos centros de treinamentos das equipes profissional e de base. Como noticiado pelo ge, o clube levou o caso à polícia nesta segunda-feira.

De acordo com nota divulgada pelo Corinthians, quatro aparelhos foram encontrados:

  • Um sensor de presença, com uma câmera oculta instalada em seu interior, na recepção do quinto andar do prédio administrativo, onde está localizada a presidência do clube;
  • Outro sensor de presença, ainda na recepção, logo acima da porta que dá acesso à sala do presidente, com equipamento adulterado e resíduos de cola em seu interior, aparentando ter sido utilizado para finalidade semelhante do primeiro dispositivo encontrado;
  • Um terceiro sensor de presença com características semelhantes ao anterior — vazio e aparentando ter sido usado para finalidade semelhante — na própria sala do presidente, acima de sua poltrona;
  • Nova câmera oculta dentro de um sensor de presença em uma das salas de reunião do CT da base, à qual estava conectado um gravador de DVR escondido no forro.

A Polícia Civil vai analisar o material e avaliar se abrirá inquérito.

Num primeiro momento, a direção alvinegra optou por não levar o caso à polícia. Após o término da varredura, no entanto, Augusto Melo foi aconselhado a registrar queixa.

A diretoria corintiana entende que esta polêmica pode manchar a imagem do clube e prejudicar negociações com patrocinadores e jogadores. Porém, vê como necessária a apuração do caso pela polícia.

Na semana passada, o ex-presidente Duilio Monteiro Alves já havia registrado um boletim de ocorrência. O ex-dirigente, que teve mandato até o fim de 2023, acredita que tenha sido alvo da espionagem relatada pela atual gestão.

Compartilhar: